Autismo em Mulheres

  1. Feminino
  2. Testes
  3. Livros
  4. Vídeos
  5. Instagram

1. Autismo Feminino

  • Você se identifica com autismo feminino? Caso queira participar de uma pesquisa científica sobre o tema, acesse https://b.link/teamulher

  • O autismo, também chamado de Transtorno do Espectro Autista (TEA), é uma condição que pode afetar a habilidade de um indivíduo para se comunicar, interagir socialmente e se comportar de maneira adequada em diversos contextos sociais. Ainda que seja tradicionalmente mais reconhecido em meninos, pesquisas recentes têm indicado que o número de meninas afetadas é maior do que se pensava, porém elas frequentemente não são identificadas ou recebem diagnósticos equivocados. Isso ocorre, em parte, devido à forma distinta como os sintomas se manifestam, assim como ao fenômeno conhecido como “camuflagem social”.

  • As meninas e mulheres autistas muitas vezes apresentam sinais mais sutis quando comparados aos do gênero masculino. Entre os sintomas frequentes estão uma maior sensibilidade sensorial, que pode se manifestar como uma aversão a certos sons, luzes, texturas ou sabores, além de dificuldades na coordenação motora. Em termos de comportamento, podem apresentar interesses intensos e restritos, embora estes possam ser mais variados e menos evidentes do que os observados em homens.

  • A camuflagem social é um fenômeno comum entre as mulheres autistas. Envolve a tentativa de esconder ou amenizar os traços autistas para melhor se adaptar à sociedade. Elas tendem a ser mais habilidosas em aprender a “imitar” o comportamento neurotípico (não autista), o que torna os sintomas menos aparentes. No entanto, essa camuflagem pode ser mentalmente desgastante, levando ao esgotamento, depressão e ansiedade.

  • Além disso, a camuflagem social pode contribuir para o atraso no diagnóstico ou mesmo a ausência dele. Muitas mulheres não recebem o diagnóstico de autismo até a vida adulta, após anos de dificuldades não identificadas e frequentemente atribuídas incorretamente a outras condições.

  • As semelhanças dos sintomas com outras condições podem levar a diagnósticos equivocados. Por exemplo, uma autista pode ser erroneamente rotulada como tímida ou diagnosticada com Fobia Social devido à sua ansiedade em situações sociais. No entanto, essa ansiedade pode ser resultado de dificuldades de processamento sensorial ou da tensão de tentar ocultar o comportamento autista. Da mesma forma, o autismo pode ser confundido com o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) ou o Transtorno de Personalidade Borderline, ambos caracterizados por dificuldades na interação social e na regulação emocional.

  • Na vida adulta, esses desafios podem causar impactos significativos. Mulheres autistas podem encontrar dificuldades em estabelecer e manter relações interpessoais, navegar no ambiente de trabalho ou administrar a vida doméstica. Tais dificuldades podem ser intensificadas pelo estresse de constantemente tentar se adaptar a um mundo que não está ajustado às suas necessidades.

  • É crucial aumentar a conscientização e o entendimento sobre o autismo em mulheres, para que elas possam receber o diagnóstico correto e o apoio necessário. A melhoria no conhecimento e na aceitação do autismo na sociedade pode ajudar a reduzir a necessidade de camuflagem social e a tensão que isso pode causar, permitindo que mulheres autistas vivam de maneira mais autêntica e satisfatória.

2. Testes

3. Livros

4. Vídeos

5. Instagram

@pradogabic

@renatautista

@familyonboard